Seminário do Caminho Melhor Jovem debate ações para juventudes de territórios de favelas do Rio de Janeiro

11/26/2013 às 12:28 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Entre 26 e 28 de novembro, o Programa Caminho Melhor Jovem, da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, realiza o Seminário Juventudes e Territórios de Favelas: narrativas, experiências e aprendizagens, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). O encontro vai proporcionar espaços de diálogo sobre políticas públicas e ações voltadas a jovens de territórios de favelas, reunindo diferentes setores da sociedade, tais como movimentos sociais, ativistas pelos direitos das juventudes, pesquisadores/s, formuladores/as de políticas públicas, entre outros.

Para a programação do Seminário Juventudes e Territórios de Favelas estão previstas rodas de diálogo, reunindo experiências e aprendizagens resultantes de diferentes ações realizadas com/para/por juventudes do Rio de Janeiro e em territórios de favelas, sobretudo pacificados ou em pacificação. Complementando os debates das rodas, mostra audiovisual, intervenções culturais com coletivos de jovens do Rio de Janeiro e oficinas com temáticas distintas integram as atividades, colaborando com a qualificação de profissionais que atuam com projetos de juventude. As inscrições para o Seminário são gratuitas e mais informações estão disponíveis no hot site http://www.caminhomelhorjovem.rj.gov.br/juventudeseterritorios.

Com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Governo do Estado, o Caminho Melhor Jovem foi lançado em agosto de 2013 e visa melhorar, em quatro anos, as condições de vida de aproximadamente 40 mil jovens de territórios pacificados ou em pacificação no Rio de Janeiro. Para isso, o Programa busca inovar, colaborando para atender as necessidades específicas de jovens, acolher sonhos e acompanhar e orientar a trajetória de forma individual, de acordo com o caminho escolhido, com o apoio de uma equipe multiprofissional. Parcerias com outros órgãos governamentais e não-governamentais vêm sendo estabelecidas, com a finalidade de oferecer oportunidades adequadas para atender as demandas de cada jovem participante do Programa.

 

SERVIÇO – Seminário Juventudes e Territórios de Favelas: narrativas, experiências e aprendizagens Local: Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), auditório 11, bloco F, 1° andar Endereço: Rua São Francisco Xavier, n. 524, Maracanã, Rio de Janeiro – RJ Data e horário: 26 a 28 de novembro de 2013, das 9h às 18h Inscrições: http://www.caminhomelhorjovem.rj.gov.br/juventudeseterritorios Mais informações: comunicacaocmj@social.rj.gov.br / marinamaria.socialrj@gmail.com (21) 2334-9585 (Marina Maria – Ass. de Comunicação)

Anúncios

Baixada Fluminense recebe ações sociais para acesso à documentação básica

11/25/2013 às 12:15 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Subsecretaria de Estado de Direitos Humanos e Fundação Leão XIII prestaram diversos atendimentos em Nova Iguaçu e Queimados

Dois municípios da Baixada Fluminense receberam, neste sábado (23/11), ação social com diversos serviços gratuitos oferecidos à população. Os moradores de Nova Iguaçu receberam a visita do Projeto Resgatando Cidadania, da Fundação Leão XIII. Serviços nas áreas de saúde, documentação e recreação infantil foram oferecidos na Escola Estadual Presidente Costa e Silva, em Nova Iguaçu. Já no município de Queimados, uma ação social foi realizada com o intuito de buscar pessoas que tenham dificuldade de acesso à documentação básica, como certidão de nascimento e primeira identidade.

 

A ação em Queimados tem por objetivo a erradicação do sub-registro e ampliação do acesso à documentação básica, desenvolvido pela Subsecretaria de Estado de Direitos Humanos, em parceria com a prefeitura do município. Duzentos e cinquenta atendimentos foram realizados, das 9 às 15 horas, na Escola Municipal Oscar Fanchem.

 

A doméstica Carmem da Silva, de 38 anos, fez a certidão de nascimento de seu filho Carlos Eduardo, de quatro meses. Já a dona de casa Érica de Almeida, de 33 anos, aproveitou a proximidade da ação social e levou seus quatro filhos para darem entrada na primeira identidade. “Aqui tem atendente do Detran, não preciso pagar a taxa e deixo o documento todo preparado, faço tudo em um lugar só. Depois só vou no posto do Detran para pegar o documento todo pronto. Para quem tem quatro filhos, como eu, isso ajuda muito”, relatou.

 

A Fundação Leão XIII é vinculada à Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), e conta com diversas parcerias para oferecer uma série de serviços para a população, como carteira de trabalho e além do formulário de isenção de pagamento de taxas cartoriais para a obtenção da segunda via da carteira de identidade e das certidões de nascimento, casamento e óbito. Serviços de saúde também foram prestados, em parceria com a Uniabeu, como verificação de pressão arterial, exames oftalmológicos, tipagem sanguínea e glicose, além de exames preventivos de câncer de mama, orientando sobre como fazer o autoexame, e do colo do útero, o papanicolau.

 

A estudante Marisa Maciel, de 19 anos, retirou a carteria de trabalho e realizou tipagem sanguínea, uma exigência da sua instituição de ensino que estava pendente desde o início do ano. “A gente precisa de um incentivo destes para fazer algumas coisas que estamos precisando há tanto tempo. Agora estou empolgada para procurar um novo emprego”, afirmou.

Cidade de Deus ganha primeira Casa de Direitos do Brasil

11/25/2013 às 12:14 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Moradores terão acesso a serviços como retirada de carteira de identidade e resolução de conflitos jurídicos

Wanderson Costa Cruz-3246

A primeira Casa de Direitos do Brasil foi inaugurada neste sábado (23/11) na Cidade de Deus. Com o lema “Sua Casa, Seus Direitos”, o local tem como objetivo facilitar a promoção de políticas e serviços públicos de acesso à Justiça e à cidadania. Reformada com recursos da Caixa Econômica Federal, a Casa de Direitos é um trabalho conjunto entre o Ministério da Justiça, a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, as Defensorias Públicas da União e do Estado do Rio de Janeiro e o Ministério Público do Estado. Os moradores da Cidade de Deus agora não precisam pegar um ônibus para, por exemplo, retirar a carteira de identidade. Eles podem ainda emitir certidões de nascimento, casamento, óbito, escritura, REDIT, regularizar o cadastro civil para egressos do sistema penal, além de contar com um posto avançado de atendimento do Procon. O Tribunal de Justiça fará o acompanhamento jurídico através do programa Justiça Itinerante e o Ministério Público pretende erradicar o sub-registro, que é quando a criança não recebe a certidão logo após o nascimento. A expectativa é que cerca de 700 pessoas sejam atendidas por mês. Para o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, a Casa vai evitar a judicialização de casos simples que poderiam ser resolvidos na própria comunidade. De acordo com ele, o projeto representa um grande avanço nos esforços que vem sendo feitos para facilitar o acesso à justiça. “ Se você tem um direito violado e não tem a quem socorrer para ter o seu direito restaurado, você fica sem o exercício pleno da cidadania. Aqui nós estamos trazendo o exercício pleno na cidadania, porque estamos trazendo a possibilidade de resolver todos os conflitos que possam existir na sociedade e com isso você consegue ter a paz social”, afirmou o secretário. O vice-governador e coordenador de infraestrutura do Estado, Luiz Fernando Pezão, acredita que a Casa de Direitos também é um importante instrumento no processo de pacificação e recuperação das comunidades do Rio de Janeiro. “Só com a entrada da segurança a gente não vence. Precisamos ter a presença forte do Estado, da Justiça. Assim a gente vence essa guerra. Mais uma vez o Rio foi pioneiro”, disse Luiz Fernando Pezão. A união das instituições com um propósito, na opinião do Defensor Público Geral do Estado, Nilson Bruno, é o ponto forte da Cada de Direitos. “Esse momento mostra um novo Brasil, onde as instituições se unem para ajudar as pessoas, principalmente as mais pobres”, explicou Nilson Bruno. O projeto da Casa já estava sendo pensado há três anos, mas nos últimos cinco meses o trabalho se intensificou para virar realidade. Coordenador do local, Rogaciano Filho diz não encarar a Casa como um trabalho, mas sim como uma forma de ajudar as pessoas que mais precisam. “Ninguém que trabalha aqui encara como um trabalho. A gente encara como uma missão de vida. A grande maioria das pessoas que trabalham aqui é de voluntários que querem ajudar os seus vizinhos e amigos”, disse ele. Moradora da Cidade de Deus há 40 anos, a manicure Maria Jorgina Costa dedica parte do seu tempo para trabalhar como agente comunitária. Ela comemora a reunião de serviços em um só lugar. “Muita gente não tem dinheiro para pagar a passagem do ônibus para resolver os seus problemas. A Casa de Direitos vai ser uma mão na roda e eu ainda quero ajudar muitos amigos aqui da minha comunidade”, afirmou Maria Jorgina. A Cada de Direitos funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, na Rua Daniel, 84, na Cidade de Deus. Para mais informações, é só ligar para o número 2333-6616.

Rede Capital, coordenada pela SEASDH, combate violência contra as mulheres no Parque de Madureira

11/25/2013 às 12:12 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Mulheres tiveram acesso a serviços e informações sobre seus direitos

Wanderson Costa Cruz-2788

Por ocasião dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, a Rede Capital, rede de serviços de atendimento às mulheres em situação de violência do município do Rio de Janeiro promoveu neste sábado uma ação no Parque Madureira, na Zona Norte. Durante toda a manhã diversas instituições que compõem a Rede prestarem orientação e atendimento às mulheres sobre seus direitos, numa ação de divulgação dos serviços disponíveis para as mulheres no enfrentamento da violência. “Nós estamos nessa campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, temos hoje atividade aqui no Parque Madureira, em Novo Iguaçu, Queimados e eu agradeço a todos os serviços e servidores que estão, porque é graças a essa rede que nós vamos conseguir levar conscientização para a população de que nós precisamos dar um basta a violência. Xô violência, xô discriminação”, disse o secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira.

A Rede Capital existe desde 2007 e atualmente é formada por instituições do poder público. Por ser uma rede, não há hierarquias e está em contínua expansão. Por questões organizacionais, é coordenada pela Coordenação da Rede de Serviços de Atendimento à Mulher, da Subsecretaria Estadual de Políticas para as Mulheres – SPMulheres-RJ. O objetivo da Rede Capital é de articular e integrar a atuação das diversas instituições que defendem os diretos das mulheres, seja na esfera judicial, social, psicológica e médica, proporcionando atendimento humanizado, para o exercício da cidadania. Participaram do evento a Casa da Mulher de Manguinhos, os centros Especializados de Atendimento à Mulher (CEAMs) Chiquinha Gonzaga e Márcia Lyra, o Centro de Referência LGBT da Capital, o Centro de Referência das Mulheres da Maré Carminha Rosa, o CDDM/ALERJ, através do Disque SOS Mulher, o Disque Denúncia, a Defensoria Pública, através do NUDEM, o Ministério Público, através do CAOp das Promotorias de Justiça de Violência Doméstica e Contra a Mulher, a Secretaria Municipal de Saúde, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJERJ), através da CEJEM e da CEJUVIDA.

Campanha Quem Ama Abraça – Fazendo Escola é lançada no Rio de Janeiro

11/25/2013 às 12:10 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Iniciativa visa conscientizar educadores, crianças e adolescentes para o combate à violência contra a mulher e será desenvolvida em todo o Brasil

Wanderson Costa Cruz-1851

O Rio de Janeiro sediou, nesta sexta-feira, o lançamento da campanha Quem Ama Abraça – Fazendo Escola, que vai trabalhar o combate à violência contra as mulheres com crianças e adolescentes de todo o país. O lançamento, realizado no Cine Odeon, no Centro da Capital Fluminense, reuniu de estudantes, mulheres e artistas.

A campanha foi idealizada em conjunto pela Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh) e o Instituto Magna Mater (IMM), com o apoio do Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, do Governo do Estado, através da Subsecretaria de Políticas para as Mulheres (SPMulheres) e do Instituto Avon.

“É uma honra sediar o lançamento dessa campanha porque os dados são terríveis. Quando a gente pensa que a cada dois minutos cinco mulheres são agredidas, isso é muito forte e nós temos que trabalhar muito para reverter esses números e através das campanhas nós vamos fazer com que a conscientização possa existir. A criança nasce pura, ela não nasce com ódio no coração, com discriminação, com preconceito, esses valores são incutidos pela sociedade no dia a dia e nós temos que trabalhar. A campanha acerta no ponto exato, porque nós temos que trabalhar com as crianças desde a sua formação na creche, pré-escola porque a partir daí nós vamos conseguir transformar a nossa sociedade. Ver que a educação, a escola está engajada nesta campanha é fundamental para que a gente consiga produzir uma sociedade livre, justa. Xô machismo, xô violência, quem ama abraça”, disse o secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira.

A Campanha é voltada para o público da educação: crianças, jovens e educadores/as. Foram produzidos manuais e gibis a serem distribuídos nos 26 Estados e no Distrito Federal, em parceria com os órgãos de políticas para as mulheres e as secretarias municipais de educação, além de dois novos clipes musicais: um que tem a participação de artistas que falam diretamente com o público jovem como Anitta, Gabriel o Pensador, MC Marcinho, Buchecha; e outro, com direção musical de Leila Pinheiro, com crianças da Orquestra de Vozes e do programa Ídolos Kids, entre outros.

Governo do Estado do Rio pede desculpas às vítimas da ditadura

11/25/2013 às 12:08 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Nova Comissão de Reparação será instaurada para analisar novos pedidos de reparação

Wanderson Costa Cruz-1985

O Governo do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, realizou, nesta sexta-feira, dia 22 de novembro, Cerimônia de Reparação a 150 aos Ex Presos e Presas Políticas do Regime Militar. A cerimônia, que aconteceu no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, encerrou no ciclo de reparações solicitadas à Comissão Especial de Reparação. Durante o evento, o secretário Zaqueu Teixeira anunciou que uma nova Comissão será instaurada em dezembro para receber novos pedidos de reparação.
“Em 2004 a Comissão de Reparação do Rio de Janeiro recebeu 1114 pedidos de reparação de pessoas que sofreram os atos da Ditadura Militar. Deste total 921 foram deferidos, 790 pagos e 186 indeferidos. Hoje encerramos o ciclo de reparação dos danos morais e o pedido de desculpas feito pelo Estado a todas essas pessoas que haviam solicitado reparação na SEASDH. Agora o governador Sérgio Cabral abrirá uma nova comissão, para que novos casos sejam analisados pelo Estado do Rio de Janeiro. A Comissão Estadual da Verdade, instituída este ano, está analisando os casos, levantando documentalmente tudo o que aconteceu durante a ditadura em nosso estado e isso abre a possibilidade para que novas reparações sejam feitas a partir do trabalho da Comissão da Verdade. A partir da instauração da Comissão de Reparação, as pessoas terão um prazo de 180 para requerer a reparação”, informou o secretário Zaqueu Teixeira. O pagamento da indenização pelo Estado a todos os ex-presos políticos do Rio de Janeiro foi feito a partir da instituição da Comissão Especial de Reparação, em 2004, composta por quatro membros escolhidos pelo Governador do Estado, dois pela OAB-RJ, um do Conselho Estadual de Medicina, um do Grupo Tortura Nunca Mais e um da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), conforme o art. 2 1 da Lei 3.744/2001. E a reparação simbólica foi feita a partir da Lei Estadual 3.7444/2001, que prevê a reparação simbólica pelas torturas, reconhecendo as violações dos direitos fundamentais ocorridas.

“O pedido de desculpas é importante, mas não pode ficar somente na palavra. O Estado precisa elaborar políticas públicas de reparação como, por exemplo, a criação de centros de memória que é a nossa luta com o Dops (Departamento de Ordem Política e Social). O Governo precisa se apropriar do processo para que a reparação não se limite à econômica”, comentou Vera Vital Brasil, uma das homenageadas. Outra homenageada foi a ex-presa política da ditadura e filha do desaparecido político David Capstrano, Cristina Capstrano. “Este ato é importante porque ressalta a importância do Estado rever sua relação com o cidadão. Na época da ditadura essa relação do Estado com o cidadão era extremamente repressiva do ponto de vista do Estado, porque havia um cerceamento das liberdades democráticas, de opinião política. Refletir sobre isso é importante para que possamos analisar a situação hoje e criar uma nova cultura”, disse Cristina. Para o presidente da Comissão da Verdade do Rio, Wadih Damous, que esteve presente à cerimônia, o Estado brasileiro ainda faz pouco por aqueles que combateram a ditadura. “O Estado não faz mais que sua obrigação ao pedir desculpas a quem lutou contra a repressão. A grande vitória seria colocar no banco dos réus aqueles que mataram e torturaram”, comentou Wadih que, na solenidade, pediu a reabertura dos processos de reparação. “O Estado tem que anunciar, com segurança, e dar o exemplo nacional de que tudo o que fizemos ainda é pouco por aqueles que lutaram na ditadura”.

Encontro discute combate ao tráfico de pessoas no Brasil

11/25/2013 às 12:06 pm | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Evento realizado no Rio de Janeiro reuniu representantes de instituições nacionais e internacionais

Wanderson Costa Cruz-4

O Rio de Janeiro sediou, nesta quinta-feira (21/11) o Encontro Internacional GIFT Box Brasil, promovido pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) e a ONG Stop the Traffik, em parceria com a Organização Internacional do Trabalho e Iniciativa Global de Enfrentamento ao Tráfico das Nações Unidas (UN.GIFT). O evento teve por objetivo apresentar o Movimento Global GIFT Box e a Campanha realizada no Rio de Janeiro (GIFT Box Brasil), além de discutir propostas para a continuidade do projeto em 2014 e 2016.

Durante o encontro, autoridades públicas, representantes nacionais e internacionais da sociedade civil e membros de Comitês Estaduais puderam trocar experiências sobre a temática do tráfico de pessoas. Representante do Baptist Christian Hospital da cidade de Tezpur, no estado de Assam, na Índia, Pratibha Miltor contou sobre o tráfico de pessoas em seu país.

“Centenas de milhares de crianças são traficadas todos os anos para dentro e fora do estado de Assam. Elas são vendidas a partir dos 2 anos de idade e acabam escravizadas pelo resto da vida, pois perdem totalmente a referência de onde vieram. Aos 8 anos uma criança vale 40 dólares, elas são traficadas para trabalhar em jardins de chá. Há 2 anos estamos fazendo um trabalho nas vilas de Assam alertando essas famílias para essa questão e promovendo ações de inclusão produtiva para que essas famílias, que sofrem com salários baixos e baixa escolaridade, possam escapar do tráfico”, contou Pratibha.

Voluntária da Gift Box Brasil, Jorgelina Burgo contou da experiência realizada no Rio de Janeiro.

“As pessoas quando entravam na caixa ficavam assustadas de ver que existe tráfico de pessoas no Brasil. Há pouco tempo houve a exibição de uma novela alertando sobre o tema, mas ainda assim as pessoas pensam que isso é coisa de ficção. Teve o caso de uma menina de 16 anos que quando entrou na caixa começou a chorar. Ela contou que estava prestes a assinar um contrato para ir trabalhar como modelo na Europa sem que sua família soubesse. Ao ver a caixa ela se deu conta do perigo que estava correndo”, relatou Jorgelina.

Para a CEO da Stop the Traffik, Ruth Dearnley, a única maneira de acabar com o tráfico de pessoas é envolver toda a sociedade na discussão sobre o tema.

“Temos que envolver a comunidade, todos os setores da sociedade, as polícias e as empresas para discutir essa questão. Empoderar as pessoas para que elas não sejam vítimas desse crime”, destacou Ruth.

Já o assessor especial das Nações Unidas (UN.GIFT) e fundador da Organização STOP The Traffik), Steve Chalke, ressaltou a importância de se discutir o tema durante grandes eventos.

“O Brasil vai sediar dois grandes eventos internacionais, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Temos nesses dois eventos uma grande oportunidade de trabalhar a questão do tráfico de pessoas. A campanha realizada no Rio este ano serviu de teste para esses eventos, mas precisamos começar já a discutir o que e onde as ações serão realizadas. Precisamos de várias Gift Box para percorrer o país”, ressaltou Steve.

O secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, destacou que o trabalho da Gift Box Brasil é fundamental para a prevenção do trabalho escravo.

“Nós fizemos essa relação com o Gift Box, levamos para os municípios e mostramos a nossa realidade no que diz respeito a tráfico de pessoas e o trabalho escravo e isso é um trabalho preventivo. Essa troca de experiência da rede de enfrentamento ao tráfico de pessoas é fundamental para que tenhamos a rede bem tecida, com os atores se conhecendo, sabendo que caso algo aconteça algo fora do Brasil as relações estão bem alinhadas”, finalizou o secretário.

Dia da Consciência Negra é celebrado no Estado

11/22/2013 às 11:43 am | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Atividade em homenagem a Zumbi dos Palmares começou cedo na Capital

Wanderson Costa Cruz--3

O Dia da Consciência Negra, comemorado neste 20 de novembro, foi marcado com diversas celebrações na Capital e na Baixada Fluminense. A festa teve início com alvorada de fogos e a lavagem do monumento a Zumbi dos Palmares, na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio de Janeiro. A atividade, realizada das 6 às 12 horas, foi promovida pelo Conselho Estadual dos Direitos do Negro (CEDINE) e a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) e reuniu centenas de pessoas de todas as partes do estado. Para o presidente da Juventude do Movimento Negro de Carmo, no Noroeste Fluminense, Wesley Muniz, a participação na festa de Zumbi é bastante significativa. “É um momento importante para estarmos reafirmando a nossa cultura e a nossa luta, mostrarmos a que viemos. Já avançamos muito na luta pela igualdade, mas ainda falta muito para que tenhamos uma consciência multirracial”, destacou Wesley. A presidente do CEDINE, Ivonete Mendonça, destacou que este ano a festa teve dupla importância. “Zumbi é o herói do nosso povo e um herói nacional da resistência que acolhia a todas as etnias. Além disso, ele já é um orixá e por isso temos que reverenciá-lo. Mas este ano a festa tem um significado ainda mais especial porque também estamos homenageando o Zumbi do Estado do Rio de Janeiro, Paulo Roberto Santos, o Paulão, falecido há pouco mais de um mês, que foi o grande idealizador dessa festa e ícone da luta negra no nosso estado”, explicou Ivonete. O secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, destacou que o Rio de Janeiro vem avançando na implantação de políticas de promoção da igualdade racial. “O Rio de Janeiro foi vanguarda na implantação da política de cotas nas universidades públicas e em concursos públicos. São medidas que acreditamos irão contribuir para diminuir as desigualdades, mas sabemos que muito ainda precisa ser feito para que o negro ocupe o lugar de destaque que merece em nossa sociedade e vamos continuar trabalhando para isso”, disse o secretário. Zaqueu destacou ainda que o Estado terá uma semana de eventos importantes na defesa dos direitos. “A gente começa celebrando Zumbi hoje. No dia 22, que também é uma data importante quando celebramos João Cândido e a libertação dos marinheiros da Revolta da Chibata, nós teremos uma cerimônia de reparação aos presos políticas da ditadura. No dia 25 nós começaremos os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres e assim teremos uma semana importante de conscientização”, informou Zaqueu. A festa no monumento a Zumbi contou com a participação dos filhos de Gandhi, apresentações de capoeira, afoxés e samba de roda. Reabertura do Centro Cultural José Bonifácio Dentro da programação pelo Dia da Consciência Negra, a Prefeitura do Rio reabriu o Centro Cultural José Bonifácio, na Gamboa, com o projeto África Diversa. Na ocasião, também foi aberta a exposição “Seppir 10 – Uma Década de Igualdade Racial” O prédio, onde funcionou a primeira escola pública do país e da América Latina, fundada por Dom Pedro II, foi reformado pelo projeto Porto Maravilha Cultural. O espaço terá uso múltiplo, combinando atividades acadêmicas, pedagógicas e artístico-culturais sobre a contribuição africana para a formação social brasileira. “É uma satisfação muito grande ver a Prefeitura do Rio reinaugurar esse espaço tão importante para a história e a cultura do Estado do Rio de Janeiro, num dia tão importante como o de hoje em que celebramos Zumbi e a resistência negra”, afirmou Zaqueu. De acordo com a idealizadora do projeto “África Diversa”, Daniele Ramalho, a iniciativa ‘aborda a riqueza e a diversidade de manifestações culturais, grupos, artistas e pesquisadores brasileiros que dialogam com a cultura de países do continente africano’. Semana das Tradições Afro culturais da Consciência Negra – Zumbi em Caxias À tarde a Prefeitura de Duque de Caxias deu início à Semana das Tradições Afro culturais da Consciência Negra – Zumbi em Caxias, no calçadão do Centro da cidade. A festa, que contou com o apoio da SEASDH, reuniu diversas apresentações culturais.

Aberta 53ª edição da Feira da Providência

11/22/2013 às 11:42 am | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Evento segue até o próximo dia 24 e reúne cerca de 300 expositores de diversos estados e países

Wanderson Costa Cruz-5

A 53ª Feira da Providência, aberta nesta quarta-feira (20/11), irá movimentar até próximo dia 24 os Pavilhões 2 e 3 do Rio Centro. Durante os quatro dias de feira, além das compras, os visitantes terão acesso a apresentações de música, folclore e recreação infantil, além de uma viagem a cultura dos estados e países participantes do evento.

Este ano, a Feira da Providência, que tem como tema o ‘Ano da Palavra’, inspirada na visita do Papa Francisco durante a JMJ 2013, reúne 300 expositores de 13 estados brasileiros e 36 países. Toda a renda do evento será revertida para os projetos sociais do Banco da Providência, que atua em 70 comunidades empobrecidas da cidade do Rio de Janeiro, promovendo, anualmente, oportunidades de trabalho e geração de renda para mais de 2 mil famílias.

O secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, que representou o governador Sérgio Cabral na abertura do evento, destacou a importância da feira para a cidade.

“A ação da Igreja Católica na área social é fundamental no auxilio ao Rio de Janeiro, e é por isso que o Governo do Estado é parceiro da feira da Providência, que é um que faz com que todos demos as mãos e prol de um objetivo comum de fazer o bem, de resgatar a sociedade, de levar dignidade, de produzir igualdade, solidariedade”, disse Zaqueu.

O primeiro pavilhão da feira reúne estandes de diferentes grifes de moda, muitos itens de decoração, além de uma área de recreação infantil para crianças de 1 a 5 anos. No Pavilhão 3, uma outra área de entretenimento oferece atividades para crianças e jovens, com brinquedos e atividades de aventura. A feira conta também com oito restaurantes, sendo quatro com comidas internacionais (Japão, Árabe, Portugal e Alemanha) e quatro de comidas típicas brasileiras (Rio Grande do Sul, Paraíba, Minas Gerais e Bahia).

O tradicional Mercado de Importados está ainda maior e com mais produtos do que em 2012. Vinhos, azeites, temperos, queijos, chocolates, doces, entre outros itens para ajudar a compor as festas de fim de ano.

A entrada custa R$ 14, de quarta a sexta, e R$ 16 sábado e domingo. Idosos, portadores de necessidades especiais e estudantes pagam meia e crianças até 1 metro não pagam. O estacionamento custa R$ 12.

Estado inaugura a primeira Central de Intérpretes de Libras

11/22/2013 às 11:39 am | Publicado em Informações | Deixe um comentário

Equipamento na Baixada é o terceiro implantado no Brasil e o segundo do estado será inaugurado em Três Rios

DSCN0458

A Baixada Fluminense recebeu nesta terça-feira a primeira Central de Interpretes de Libras (CIL) do estado do Rio, no município de Queimados. A CIL de Queimados é a terceira implantada no Brasil e a segunda do estado será inaugurada em Três Rios nos próximos meses. Atualmente Rio Grande do Sul e Paraíba são os outros dois estados que contam com o mesmo equipamento. Quatro intérpretes, um coordenador e um motorista compõem a equipe de trabalho da central. Para os atendimentos virtuais, será criado pela Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado (SEASDH), um link para ser acessado pelo surdo de atendimento ao vivo, através de webcam com as intérpretes, que poderá ser acessado através do site da SEASDH.

O secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, explicou a escolha da localidade: “A secretaria disponibiliza os projetos para todos os municípios do estado e ganha quem apresenta os requisitos para recebê-los primeiro. Queimados vem chegando à frente nesse quesito, tanto que, além da Central de Interpretação de Libras, ainda neste ano receberá o Centro de Referencia LGTB e uma sede do Centro Integrado de Atendimento à Mulher (CIAM). Deste modo, o município que já é uma referência, vai crescer cada vez mais na área social”, concluiu Zaqueu.

A central, que atenderá toda a região metropolitana, conta com mobiliário, impressora, aparelho de telefone, computadores e webcam de alto desempenho, além de um veículo para atendimentos que demandem deslocamentos. O local, fará o atendimento virtual, por meio de chat de comunicação, em que o intérprete se comunica com o surdo à distância, através de webcam e também presencial, para agendamento e o acompanhamento a consultas médicas, audiências e agências bancárias. A central foi instalada na sede da Secretaria de Direitos Humanos e Promoção da Cidadania, que fica à Rua OtÍlia, N° 1495 – Centro. O expediente se dará de segunda à sexta, das 8h ás 18h.

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.